O Rei de Amarelo – Resenha

42232902

Título:  O Rei de Amarelo
Autor: Robert W. Chambers
Editora: Intrínseca
Ano de Publicação: 2014
Páginas: 256 p.
cropped-barra.png
Sinopse: O Rei de Amarelo’ é uma coletânea de contos de terror fantástico publicada originalmente em 1895 e considerada um marco do gênero. Influenciou diversas gerações de escritores, de H. P. Lovecraft a Neil Gaiman, Stephen King e, mais recentemente, o escritor, produtor e roteirista Nic Pizzolatto, criador da série investigativa True Detective cujo mistério central faz referência ao obscuro Rei de Amarelo. O título da coletânea faz alusão a um livro dentro do livro – mais precisamente, a uma peça teatral fictícia – e a seu personagem central, uma figura sobrenatural cuja existência extrapola as páginas. A peça ‘O Rei de Amarelo’ é mencionada em quatro dos contos, mas pouco se conhece de seu conteúdo. É certo apenas que o texto, em dois atos, leva o leitor à loucura, condenando sua alma à perdição. Um risco a que alguns aceitam se submeter, dado o caráter único da obra, um misto irresistível de beleza e decadência.
cropped-barra.png

O Rei de Amarelo é uma coletânea de contos escrito por Robert W. Chambers na segunda metade do século XIX e até hoje inspira diversos escritores que nós adoramos, tais como: Stephen King e Neil Gaiman. A obra se baseia em uma peça ictícia de nome homônimo ao livro, dividida em duas partes, cuja segunda, levaria quem a lesse a loucura. A tal peça está presente nos 4 primeiros contos e toda tensão e terror psicológico é dado através dela. Nunca lemos a peça na íntegra, tendo apenas alguns vislumbres do seu texto original, o que é bom pois uma das coisas que o livro nos desperta é nossa imaginação ao tentarmos criar a peça inteira na nossa mente.

Como amante do gênero, não posso deixar de alertá-los para não procurarem um thriller nesta obra, ela fica na base do suspense, tendo pequenos picos de terror psicológico, mas que não são suficientes para manter o clima. Quanto se está quase no ápice tudo despenca, mas por um lado quando chega ele CHEGA CHEGANDO! Outro problema que fãs do horror irão encontrar aqui, é que, na edição da Intrínseca, apenas os 5 primeiros contos são de caráter sombrio, sendo o último deles – o melhor, na minha opinião – um conto de transição para os últimos 5 presentes no livro, que beiram bem mais o romance.

As pitadas de terror são marcantes, mas além delas, o melhor do livro é a conexão que há entre os contos, mesmo quando feito de maneira muito sútil para leitores mais atentos. O que temos em O Rei de Amarelo é uma ótima leitura para quem quer se aventurar num suspense fantástico do século XIX, com contos bem escritos e sólidos.

 

nota 4

escrito duda.png

 

 

 

 

 

 

A Casa dos Pesadelos de Marcos de Brito – Resenha

20180622_150817
Título: A Casa dos Pesadelos
Autor: Marcos de Brito
Editora: Faro
Ano de Publicação: 2018
Páginas: 144 p.
barra
Sinopse: Dez anos depois de estar cara a cara com aquela assombração, Tiago finalmente concorda em voltar à mesma casa para visitar sua avó. Agora adolescente, ele pretende provar para si mesmo, que a terrível imagem que o aterrorizara nas madrugadas por tanto tempo, não passava de uma criação tenebrosa da infância. Mas, ao chegar no casarão, o jovem se depara com o misterioso quarto de seu falecido avô, agora mantido fechado, e tratado como espaço proibido. As restrições com relação ao aposento, as sensações e barulhos no meio da noite logo alimentam nele a suspeita de que algo terrível habita o local. Tomado por uma estranha coragem e desejo de ver-se finalmente livre do medo, tudo que o rapaz deseja é descobrir o que há por trás daquela porta. Então, o pesadelo toma novo impulso quando a figura sombria da infância mostra-se real novamente… mas, desta vez, ela quer atacar o seu irmão mais novo. Determinado a impedir que o caçula passe por terror semelhante, Tiago, mesmo apavorado, decide enfrentar a criatura. E o que descobre expõe terríveis segredos do passado que ninguém poderia imaginar.
barra
Excelente terror nacional na resenha de hoje. Em A Casa dos Pesadelos, o autor Marcos de Brito conta a história do adolescente Tiago, atormentado desde a infância por um episódio vivido na casa dos avós maternos e que abalou profundamente a sua saúde emocional.
Na tentativa de superar esse trauma, Tiago, seu irmão mais novo e a mãe Laura voltam à casa em que os acontecimentos funestos tiveram lugar e reencontram a avó. No meio do descrédito, a desconfiança e a incompreensão da família, Tiago tenta proteger o irmão mais novo do mesmo mal que o atormentou.
A escrita de Marcos é ótima, quase lírica e nada óbvia. O autor abusa das analogias, das figuras de linguagem e de um excelente vocabulário para falar dos sentimentos, dos conflitos e da introspeção do protagonista. Há também um pequeno romance adolescente cruamente narrado.
Mas o que teria isso esse trauma vivido por Tiago? Imaginação? Pesadelo? Invenção? Marcos vai revelando aos poucos, a medida em que Tiago recorda as noites que passou na casa dos avós, os detalhes desse trauma e ora acreditamos,  ora duvidamos da sanidade do protagonista. De segredo em segredo, com ousadia e coragem, Tiago vai desvelando os segredos do passado e conduzindo o leitor a um desfecho realmente aterrador.
Sobre a edição da Faro: realmente lindíssima! As ilustrações de Ricardo Chagas e os capítulos que tratam do passado em cor diferente, colaboram com a imersão do leitor e são um diferencial interessante.
Mas quantas estrelas eu dou para a obra? É uma trama belamente contada, com pontas bem amarradas e personagens consistentes. Nesse sentido eu dou. Mas não é uma história para todo mundo, o desfecho é, realmente, chocante e perturbador.
Mais não posso dizer, para não estragar a surpresa de quem vai ler. Só dou um conselho: esteja preparado para tudo.
A capa de livros que aparece na foto é da Capas Aurifames